sábado, 2 de novembro de 2019

DIA DE FINADOS - Por quê levar flores para os mortos,se não lhes perfumamos a vida?

Eu nasci no "Dia de Finados". 
É isso mesmo,nasce gente nesse dia. Eu nasci.Era uma sexta-feira e foi de madrugada,segundo minha mãe. Foi parto natural e não se podia determinar o dia para a gente nascer,como ocorre com atualmente, com as cesarianas.
Então,apesar de ser um  dia no qual se cultuam os mortos,eu nasci. E estou vivo até hoje,graças a Deus...
Quando eu tinha entre 06 e 12 anos de idade e morava em outra cidade,minha mãe me levava, sempre,nesse dia,ao cemitério. Era uma coisa comum todos irem ao cemitério neste dia. 
-Muitos ainda vão. Uns até por desencargo de consciência !
Só que eu,na minha igenuidade perguntava sempre à minha mãe: Esse é o meu presente de aniversário ?
Claro que não era. Minha mãe,na verdade, estava indo lá revenciar os mortos,inclusive parentes dela,mãe,pai irmãos e até filhos. Minha mãe teve 11 filhos e 5 morreram antes de eu nascer. Eu vim ser o caçula dos homens.Tenho uma irmã mais nova viva ainda.

Mas,de qualquer forma,era bom ir no cemitério. Lá tinham as missas e os cultos,obviamente. Mas tinha também coisas gostosas para vender. Tipo doces, picolés,sorvetes e pirulitos. 
-Qual a criança não gosta dessas guloseimas ?
E eu ganhava dela alguns desses doces. Para mim era um passeio mesmo.E até eu encontrva por lá,alguns coleguinhas de escola,que estavam acompanhados de seus pais.
E assim era meu dia de aniversário até eu completar 12 anos de idade. Sempre no Dia de Finados,claro.
Depois nos mudamos para outra cidade. 
Mas nunca fazíamos festas em meu aniversário,apesra de meu pai ter uma boa renda como comerciante. Ele mesmo não se interessava. No dia do aniversário dele,ele fazia e convidava muita gente.
 Portanto,nem minha mãe, nem meu pai, fizeram festas para comemorar meu aniversário. Eu nem os culpo por isso. È um dia atípico mesmo esse Dia de Finados.
Contudo,tinha uns parentes nossos de Brasília que sempre iam lá em casa onde eu morava. Era um alto funcionário do Governo que tinha duas filhas meninas,de 7 e 9 anos, e eu era que bincava com elas. Fazia isso desde quando eu tinha 08 para 09 anos de idade. Eu era um meninão,inocente de tudo.
E este senhor, pai delas, era primo de meu pai E ele, junto com a sua esposa, fizeram uma festinha de meu aniversário,quando eu completei exatos 14 anos de idade. Foram só nós de nossa família de seis pessoas,mais a dele de 4 pessoas, que participaram. Porém,como eu nunca tivera uma festa de aniversário antes, nunca me esqueci desta. Inclsusive até hoje tenho contato com uma destas meninas,que hoje está cinquentona. 
E depois disso nunca mais teve festa no dia do meu aniversário.Não tem muito sentido,pois,de qualquer forma é um dia triste. Apenas um almoço em família ou uma ida no cemitério,onde já fui até com meus filhos,visitar a minha mãe,que partiu em 2001. Hoje é um destes dias,com almoço em família. E está bom demais.
Só não está melhor porque não fui ao cermitério. Irei outro dia,visitar o túmulo de minha mãe e do irmão que estão juntos.
Eu não costumo levar flores para o túmulo deles.  

Eu sei que as flores são perfumadas e servem para adornar o túmulo. Milhões de pessoas levam flores para os túmulos de seus parentes, nos cemitérios. Porém, eu não levo. Acendo uma vela,faço uma oração e só. E fico lembrando de todos os momentos que vivi e convi com eles.
Acho que se eu levasse, seriam flores de plástico,pois ela durariam mais,expostas ao sol e ao calor. Mas acho isso um tanto desrespeitoso, já que os outros levam flores de verdade...
O problema é que as flores têm vida curta,e a gente compra uma corbeille de flores  muita cara para deixá-la ao sol?
-Eu acho isso um desperdício.
Muitas pessoas irão me criticar por isso. Mas é assim que eu penso. E levar flores para os mortos,se eles nem vão ver,nem cheirá-las? 
E ainda tem os que roubam as flores que levamos para os túmulos de nossos parentes,para colocarem nos túmulos dos parentes deles. -Pode uma coisa destas?  As pessoas roubam tudo. Até os vasos de flores,as corbeilles...Não reaspeitam nem os mortos?
O pior é que muitos de nós nunca "perfumou" a vida desse nosso parente,quando ele ou ela ainda era vivo. Muitas vezes só os tratamos mal.Agora vamos nos redimir com flores  que eles nem podem ver?
Acho que não é certo.
A Alma da pessoa é que importa. Para ela,orações e velas.
Afinal de contas,por quê levar flores para os mortos,se não lhe perfumanos a vida ?
-E que Deus me perdoe se eu estou  falando algo errado.
E que descansem em paz as Almas de todos os meus parentes que já se foram: Pai,mãe,irmaõs,cunhados ...
O próximo serei eu a ir para a última morada: No Cemitério !
-Mas não estou com pressa.
------------------------
Texto original de Antônio L.Gomes
02/11/2019

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Bob Dylan- Knockin' on Heaven's Door "Original"



DIA NACIONAL DO LIVRO : Comemora-se no dia 29 de outubro.

Em 29 de outubro, comemora-se o Dia Nacional do Livro. A escolha da data deu-se em homenagem ao dia em que também foi fundada a Biblioteca Nacional do Brasil, localizada no Rio de Janeiro, quando a Real Biblioteca Portuguesa foi transferida para a colônia, em 1810.
História do livro
O que nem todo mundo sabe é que, inicialmente, os livros eram bem diferentes do que são hoje. Para quem está acostumado com livros de boa aparência, com revisão ortográfica e uma capa bem diagramada, saiba que, antes disso, na Antiguidade, os livros eram feitos de outro modo.
Os primeiros registros gráficos foram feitos em papiro, uma espécie de lâmina retirada do caule de uma planta de mesmo nome e que possibilitava a escrita. Tempos depois os rolos de papiro foram substituídos pelo pergaminho, que possibilitava ser costurado, já que era feito de pele animal e tinha mais resistência.
O papel chegou na Idade Média e os livros, ainda escritos à mão, começaram a substituir os pergaminhos. Em meados de 1455, o alemão Johannes Gutenberg causou a mudança que veio a ser revolucionária para a história da escrita. Gutenberg criou uma técnica de prensa com uma impressora que reproduzia letras e símbolos com relevo esculpidos em metal. O processo espalhou-se rapidamente pela Europa e, logo, pelo mundo.
Primeiras impressões
A primeira impressão de um livro por Gutenberg foi a Bíblia. Inicialmente ele começou a produzir páginas com 40 linhas, mas o custo para isso era alto. Resolveu então utilizar 42 linhas em duas colunas por página. O exemplar foi escrito em latim e teve 1.282 páginas.
No Brasil, o primeiro livro impresso foi Marília de Dirceu, do autor Tomás Antônio Gonzaga, em 1810. Com a chegada da imprensa ao país, as máquinas de impressão eram utilizadas para imprimir os jornais com notícias de interesse do governo português, que financiava as impressões. Isso fazia com que muitos autores brasileiros optassem por imprimir suas obras em países europeus.
Evolução do livro
No século XX, começaram a surgir as bibliotecas organizadas e a preservação e coleção de livros. Já no século seguinte, as bibliotecas passaram a ser construídas para a frequentação de leitores, já que surgia a angústia de, muitas vezes, não ser possível ler o livro todo, o anseio de preservá-lo e a preocupação com o acesso a ele.
E- book: Com o crescimento da tecnologia, outro formato de livros ganhou espaço: os livros digitais. Esses “livros do futuro” têm a possibilidade não só de trazer novas publicações em meios digitais, mas de reproduzir as mais antigas publicações da história.
Aparelhos específicos para a leitura de livros digitais ganharam mercado entre os jovens.
Ainda há muitos apaixonados pela forma física do livro, que gostam de marcar suas páginas, fazer anotações nelas, sentir seu cheiro, e colecionar títulos. No entanto, a praticidade do meio digital ganhou muito espaço, e, hoje, leitores optam por consumir livros em versões digitais, pelo celular, computador, tablets e leitores digitais.
P.S.
1)- O Dia Nacional do Livro é comemorado no mesmo dia do aniversário da Biblioteca Nacional.
2)-O Primeiro livro impresso no mundo foi a Bíblia, por Gutenberg. 
............................................
(Compilação desse texto: Antonio Gomes).