segunda-feira, 28 de setembro de 2020

ENTREVISTA DADO PELO ESCRITOR ANTÔNIO LUIZ GOMES À REVISTA "ARCA LITERÁRIA" EM 2017(Agora atualizada)

1.       Fale-nos um pouco de você. 
MEU NOME TODO É ANTONIO LUIZ GOMES, Sou de origem portuguesa (meu pai e avós paternos) vieram da Região de Porto (Avô) e Algarve (avó). Nasci em Pernambuco, na cidade chamada São Bento do Una (mesma cidade na qual nasceu o famoso Compositor e Cantor Alceu Valença). Porém, com seis anos de idade me mudei com a família para a cidade de Vitória da Conquista, na Bahia, por causa de um tio meu que tinha um comércio lá (Loja “A Lusitânia “) e da qual meu pai foi sócio. A Título de Curiosidade: em Porto, Portugal, tem uma rua com o meu nome: Rua Dr. Antônio Luiz Gomes. Mas não é em homenagem a mim, claro. Mas, sim a um ilustre jurista português do século passado que era um homônimo meu, e que, segundo meu pai me disse há muito anos, ele era do mesmo ramo de nossa família original.

2.       O que você fazia/faz além de escrever? De onde veio a inspiração para a escrita?
 Durante a minha juventude trabalhei em vários locais e em várias atividades. Porém, a maior parte do tempo foi como vendedor, em lojas, feiras e até bar. Isto até me formar em Direito, com 28 anos de idade. Já no segundo grau eu gostava de fazer poemas, escrever histórias em contos e crônicas que publiquei num "Suplemento Cultural" do Jornal“O Popular” de Goiânia, GO. Era apenas um hobby, e eu me sentia importante em mostrar meus escritos aos colegas de colégio, faculdade etc. Mas não consegui escrever ou publicar um livro, pois nem tinha tempo. Após me formar e ter a carteira de advogado, passei só a trabalhar mesmo. E nas horas vagas escrevia alguma coisa, porém guardava na gaveta. Casei tive 3 filhos e o trabalho me tomava todo o tempo. Hoje ainda sou advogado, mas estou parando aos poucos. Duas filhas minhas se formaram na mesma área e curso de Direito e seguem me honrando com isso.

3.       Qual a melhor coisa em escrever?
Pelo menos, para mim, escrever é colocar no papel, ou no Blog que tenho na internet (“Palácio de Letras Blog do Antonio Luiz Gomes”), aquilo que sinto ou tenho vontade de falar, mesmo não tendo quem me ouça. Mas, escrevo também porque sei que sempre terá alguém que irá me ler ,mais cedo ou mais tarde. Além da vontade de passar para o papel algum conhecimento que tenho.

4.       Você tem um cantinho especial para escrever?
Tenho. É no quarto do apartamento onde moro mesmo, onde coloquei o computador, uma impressora e onde ficam meus livros, pois já publiquei 12(hoje ficaram só nove) pela Editora CLUBE DE AUTORES e um bem simples numa editora de Goiânia mesmo (FLEX). Este apenas com 4O folhas e que nunca vendi um exemplar sequer. Só doei. Aliás, fiz mil exemplares para doar mesmo. Já doei mais de 500 volumes Este livro se chama “O Lobisomem da Serra Vermelha” e é autobiográfico. Conta uma aventura vivida por mim e por meus familiares no Sertão de Pernambuco, quando eu tinha entre 16 e 18 anos de idade. Depois publiquei ele com mais páginas,pelo Clube de Autores e pela Amazon.com  Atualmente tenho 12 livros já publicados pela Amazon. Os mesmos 9 que estão no Clube de Autores(www.clubedeautores.com) mais 4 outros livros de assuntos diversos

5.Qual seu gênero literário? Já tentou passear em outros gêneros?
Na verdade, o que sempre escrevi foram contos e crônicas. E fiz muitos textos sobre política, futebol e direito, no meu Blog “Palácio de Letras 2”, que mantenho na Internet desde 2009. Este blog, sem muitas pretensões, já teve mais de trezentas mil visualizações de páginas. Como fui Professor de uma Faculdade, escrevo também sobre filosofia e psicologia, pois dei aulas durante 08 anos destas disciplinas. Não tenho um gênero literários específico, mas sempre estou escrevendo Contos e Crônicas.

6.Fale-nos um pouco sobre seu (s) livro (s). Onde encontra inspiração para título e nomes dos personagens?
Depois que passei a ter mais tempo de 2009 para cá, passei a trabalhar em casa mesmo, escrevi oito livros, todos publicados pelo CLUBE DE AUTORES, que é uma Editora de Auto publicação situada em Santa Catarina e com Gráfica em São Paulo, SP. Os meus livros têm nomes diferentes e cada um trata de um tema, com vários assuntos, com várias nuances de personagens ou até mesmo relatos de fatos passados e presentes. Os títulos dos meus livros vão aparecendo na minha mente a partir do momento em que penso em escrevê-los. Alguns já estavam com títulos, tirados de vários textos no Blog, ficou mais fácil. Os títulos de meus livros são :  a)-“O Livro das Curiosidades Jurídicas” ,que fala sobre Direito, com casos e causos conhecidos por mim e por muitas pessoas ligadas ao Direito; b)- “As Vítimas da Sociedade” , de contos e crônicas); c)-“A Felicidade ao Alcance de Todos”, que é de filosofia e de auto ajuda; d)- “Os Retratos da Vida”, só com crônicas e contos; e)-“Fatos Históricos e Religiosos”, que trata de assuntos ligados à Religião Católica e fatos ligados à história mesmo ; f)- “As Mulheres” ,que trata de histórias reais, romanceadas, que vivi e das pessoas que conheci, e que passaram pela minha vida;  g) “Os Mercadores da Fé”, que critica a atuação de alguns pastores que defendem a tal Teologia da Prosperidade e vivem tomando dinheiro dos fiéis mal informados. Depois disso já escrevi meu 10º Livro, cujo título é “Memórias da Caserna”,que conta as peripécias dos recrutas, soltados e oficiais, no meu tempo de Exército.E fiz ainda o 11º "Cronicas da Vida Real " e o 12º Romances Perigosos" E fiz uma segunda Edição do “Lobisomem da Serra Vermelha” com mais de cem páginas, que está inclusive sendo vendido na Amazon, juntamente com o livro de Direito (Fatos e Curiosidades Jurídicas).Aliás,na Amazon.com.br estão 12 livros  dos meus 13 até agora. Estou escrevendo o 14º

7.Qual tipo de pesquisa você faz para criar o "universo" do livro?
Na verdade, a pesquisa maior foi do livro sobre Direito O Livro das Curiosidades Jurídicas". Os outros vão fluindo de minha mente normalmente, no dia a dia, e das histórias e de personagens vivos que conheço ou que conheci. Escrevo Crônicas e Contos no meu Blog "PALÁCIO DE LETRAS 2", sobre fatos do cotidiano e até sobre politica. Depois, reúno alguns e coloco em um livro. Alguns Contos e Crônicas são inéditas mesmo.

8. Você se inspira em algum autor ou livros para escrever?
Como li muitos livros do Machado de Assis, talvez eu tenha alguma influência dele. Porém, Guimarães Rosa, Jorge Amado, Graciliano Ramos,João Cabral de Melo Neto e Ariano Suassuna, me influenciaram muito, cada um no seu universo diferenciado. Talvez por isso eu escrevo sobre vários assuntos e vários temas diferentes. Logicamente que não chego aos pés de nenhum deles.

9. Você já teve dificuldade em publicar algum livro? Teve algum livro que não conseguiu ser publicado?
Tive. Na verdade, eu só consegui publicar meus livros depois de encontrar o Clube de Autores. O primeiro que fiz, ”O Lobisomem da Serra Vermelha” foi pago, e fiz com a ajuda de uma firma, que patrocinou parte do valor pago para a edição dele. Mas os livros saíram bem baratos para mim. Por isso mesmo e para me promover, sempre faço doação deste livro . Portanto, os que eu quis publicar até agora, publiquei. Depois do Clube de Autores passei a publicar na Amazon,no chamado KDP.

10-O que você acha do novo cenário da literatura nacional?
Muito difícil. Isto porque as pessoas ainda insistem em só comprar livros de fora, principalmente de escritores cujos livros viraram filmes. E tem mais, infelizmente sou obrigado a dizer que muitas pessoas têm preguiça de ler. Aqui no Estado em que moro se vende muito pouco livro. O povo daqui gosta mais de ouvir música “breganeja” , ir no “botecos” beber, e ir a shows destes artistas. A cultura é mais por parte de Professores e alguns literatos mesmos, nas universidades. As pessoas compram os livros que serão usados nos vestibulares e os que precisam para a profissão, como livros Jurídicos, de Medicina etc. Fora destes, só de vez em quando, para dar de presente. Mas não têm o costume de ir em uma livraria várias vezes ao ano comprar um livro para elas mesmo lerem. A Internet e os celulares prejudicaram os interesses de ler livros.As pessoa ficam só vendo nestes aplicativos,as manchetes de alguns sites e só.

11. Recentemente surgiram várias pessoas lançando livros nacionais, uns são muito bons, outros nem tanto, outros são até desesperadores, o que você acha sobre este boom?
Acho que as pessoas devem escrever o que sentem. Claro que tem muita obra ruim na Literatura Nacional, mesmo de escritores que são famosos, pois a Mídia lhes dá espaço demais e ficam conhecidos, embora nem sempre seja bom o que escrevem. Porém escrever é uma arte, uma forma de se expressar o que se sente e de passar conhecimentos. Se tais escritos irão cair no gosto do povo é uma outra “história”. Há muitos livros bons e bons escritores. O problema no Brasil é a divulgação que ainda é muito fraca. Surgiu também a tal Whattpad onde muita gente,principalmente mulheres novas,escrevem suas mazelas por lá.Mas só isso não as classifica com Escritoras. Muitas se autodenomina de "Autoras".

12. Qual sua opinião sobre os preços elevados dos livros nacionais? Isto é um empecilho para que sejam vendidos mais livros?
  Sim. As pessoas nem sempre têm dinheiro para os livros. Tem para beber, passear, cinema, futebol etc. Mas não compram livros que custam mais de R$ 40,00, pois acham caro. Na verdade estão comprando menos livros no Brasil inteiro. E ainda tem uns políticos fascistas do atual Governo querendo cobrar impostos de 12% sobre os livros,o que vai piorar o "mercado" e dá prejuízo às Livrarias.

13.Qual livro você falaria: "queria ter tido esta ideia"?
O Livro que eu gostaria de ter escrito chama-se “Eram os Deus Astronautas? ”  de Erick Von Daniken. Ele nos faz pensar numa teoria que realmente pode ser verdadeira sobre o homem, o universo e os seres extraterrestres. Há um documentário no You Tube sobre o que trata o livro.

14.Se tivesse que escolher uma trilha sonora para seus livros qual seria? (nome da musica + cantor).
Escolheria várias músicas, que foram até trilhas sonoras de filmes. Entre elas O tema do filme “A Missão”, que é de Ennio Morricone ; A Conquista do Paraíso, de Vangelis Papathanasiou; e a Música tema do filme “Carruagem de Fogo”, também do Vangelis.

15.Já leu algum livro que tenha considerado "o livro de sua vida"?
Este eu leio sempre: “A Bíblia”. E cada vez que leio, quero ler mais. É um livro de História religiosa (Velho Testamento) de Espiritualidade Pura, (Novo testamento). Neste estão os maiores ensinamentos do mundo trazidos por Jesus Cristo e seus apóstolos.

16.Você tem novos projetos em mente? Se sim, pode falar sobre eles?
Tenho. Escrever mais uns 10 livros, cujos títulos e rascunhos já tenho na cabeça e alguns até anotados e iniciados. Estou fazendo o 14º Livro"O Lusitano" Este término ainda este ano.  E finalmente  já estou começando o livro de nº 15 será de memórias mesmo, sobre a minha vida toda, cujo título será “Pedaços da Minha Vida” ou "Uma Vida Difícil". Este só   ficará pronto no fim do ano de 2019. Estou fazendo um livro por semestre. Os outros 5 serão compilações de contos e crônicas já escritas, que ainda estão no meu Blog “Palácio de Letras” cuja seleção vou fazendo aos poucos, e um da História Politica no Brasil e outro de Goiás e talvez um Romance de ficção..

17.Você acompanha as críticas feitas por blogueiros nas redes sociais? O que você acha sobre isso? 
Acho bom. Porém há muito radicalismo e inveja nas redes sociais. Se falamos que estamos vendendo muitos livros causa inveja. E nem sempre quem critica leu o livro, mas viu apenas uma sinopse e já quer desvalorizar. Mas há bons leitores e divulgadores também. Esta parte de crítica e de divulgação sadia para os livros supera os primeiros.

18.Se pudesse escolher um leitor para seu livro (escritor, alguém que admire) quem seria?
Eu escolheria atualmente o Jô Soares, que ainda está vivo. E seria uma honra para mim também, se tivesse tido o Ariano Suassuna como leitor de meu primeiro livro, que escrevi sobre o tempo que morei no Sertão de Pernambuco. Mas o Ariano,que era paraibano de nascença e pernambucano de coração, já partiu antes do combinado.

19.Qual a maior alegria para um escritor?
Que seus livros sejam lidos e comentados. Que ele veja seus livros sendo divulgado nas redes sociais, na TV, nas Livrarias etc. E que possa ser convidado a participar da Feira do Livro de Parati ou da Bienal do Livro, em São Paulo. E, obviamente, que sejam vendidos os livros publicados.

20.Deixe uma mensagem a nossos leitores e para aqueles que estejam iniciando no mundo da escrita literária.
Digo para o leitor, escritor principiante, ou mesmo aquele que só escreveu um livro e parou, que insista. Não desista.  Eu escrevo para ver o livro pronto. Se não o vendo, faço doação, para que vejam e leiam o que escrevi. Em seis anos já doei mais de 750 dos meus livros. E fico contente, mesmo que esteja pagando para que a pessoa leiam meu livro. Eu uso meus livros para dar de presente mesmo. Escrever, como eu já disse, é uma forma de arte, de espalhar cultura e conhecimentos, (se é que não são a mesma coisa). Como acredito que a escrita do livro ou da poesia, vêm da alma e dos sonhos do quem os escreve, devemos sempre sonhar e continuar escrevendo. Se uma só pessoa ler um de meus meus livros eu já me daria por satisfeito, pois o ofício do escritor é escrever para ser lido. 
E digo sempre às pessoas:
Vender livro no Brasil é luxo!
 E ser imortal?
-Só para quem não tem onde cair morto...
                                                                                                ANTÔNIO LUIZ GOMES- Escritor pernambucano que reside em Goiânia, Goiás.

P.S. Entrevista  para o Site/Blog "Arca Literária" que foi feita em março de 2017.
Aqui ela foi atualizada.

Atualização  A.L.G. 17/08/2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário